Clube News

Em entrevista, Madonna fala sobre Lady Gaga: Nós nunca fomos inimigas;

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
Em entrevista, Madonna fala sobre Lady Gaga: Nós nunca fomos inimigas;

2019 está sendo um ano poderoso para Madonna! A cantora- que agora está divulgando seu novo projeto, o Madame X- é a capa do próximo mês de junho da Vogue Britânica e, em uma prévia da entrevista disponibilizada no site da publicação, vemos ela abrir o jogo sobre estar envelhecendo, sobre sua rivalidade com Lady Gaga e até sobre a criação de seus filhos. Sincerona, a artista começou contando que ter sua idade se tornou uma nova desculpa para que as pessoas continuassem a silenciando:

- As pessoas sempre tentaram me silenciar por algum motivo ou outro. Seja por eu não ser bonita o suficiente, por eu não cantar bem o bastante, por eu não ser tão talentosa, por eu não estar casada e agora é porque eu não sou jovem o bastante. Eles sempre tentam arrumar uma brecha para despejar suas críticas por eu estar viva. Agora eu estou lutando contra o envelhecimento. Agora eu estou sendo punida por entrar na casa dos 60 anos de idade.

Mas, se as pessoas tentam silencia-la por meio de críticas, normalmente, elas lhe dão destaque quando o assunto é sua relação com Lady Gaga. Desde que criticou uma das músicas da ganhadora do Oscar 2019, Madonna tem sido considerada um desafeto da outra artista. Apesar disso, as duas tem mostrado que tudo não passa de apenas rumores:

- As pessoas ficaram muito animadas sobre (a ideia de que eu e Lady Gaga) sermos inimigas, quando nós nunca fomos. 

E, quem vê Madonna com suas apresentações super ousadas, não imagina que fora dos palcos a artista é uma mãe bem rigorosa. Ela contou que ainda não permitiu que seu filho de 13 anos de idade, por exemplo, tivesse o primeiro celular:

- Eu vou continuar com isso o maior tempo possível porque eu fiz um erro ao permitir que os meus filhos mais velhos tivessem um celular aos 13 anos de idade. Fez com que meu relacionamento com eles acabasse. Não totalmente, mas isso se tornou uma grande parte da vida deles. Eles tiveram contato com muitas imagens e começaram a se comparar com outras pessoas, e é muito ruim para o autodesenvolvimento deles. 

A preocupação dela com a saúde mental dos filhos é projetada para seu ativismo. Tanto é que, no último sábado, dia 4, a Rainha do pop foi homenageada em uma premiação da organização não governamental norte-americana GLAAD, que, em português, significaAliança Gay e Lésbica contra a Difamação. Em seu discurso de aceitação ela declarou o seguinte:

- Enquanto eu crescia, eu sempre me senti como alguém de fora, tipo, eu não me encaixava. E não era porque eu não depilava minhas axilas, eu só não me encaixava. 

Ela também contou sobre o primeiro contato que teve com um homem gay em sua vida:

- O primeiro homem gay que eu conheci na minha vida se chamava Christopher Flynn. Ele foi o meu professor de ballet no Ensino Médio e foi a primeira pessoa que acreditou em mim. Isso fez com que eu me sentisse especial como uma dançarina, como uma artista e como um ser humano. Eu sei que parece fútil, mas ele foi o primeiro homem que me disse que eu era bonita. Ele me levou ao meu primeiro clube gay no baitto Detroit e lá eu senti que não estava sozinha, que estava tudo bem ser diferente.Eu me senti em casa e me deu esperança.

Confira abaixo o vídeo completo em inglês:

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter