Clube News

Supremacia do Grêmio escancara problemas do Santos na temporada

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
Supremacia do Grêmio escancara problemas do Santos na temporada

Em constante oscilação, variando entre boas e péssimas apresentações ao longo do ano, o Alvinegro mostrou sua faceta mais fraca diante de um rival supremo tática e tecnicamente em sua casa. Colocar a culpa dos pequenos fracassos na ausência de um camisa 10 é muito pouco para um time que pode - e precisa - apresentar bem mais. 

O meio-campo e a falta de articuladores

A julgar pela apresentação de gala de Maicon e Arthur no meio-campo do Grêmio, fica claro que o problema do Santos não é só a falta de um armador para ser o titular absoluto. Faltam no time articuladores, tenham eles a alcunha que for. Os volantes gremistas são justamente os elos de ligação entre a defesa e o ataque do Tricolor, algo que falta ao Alvinegro. 

Não há criatividade no setor e muito menos o encaixe entre os blocos do time, incumbência que pode ser sim cumprida por outros que não o armador da equipe - é possível fazer a equipe criar com jogadores vindos de trás. No Grêmio, os volantes se movimentam, rodam a bola, trocam passes em profundidade, marcam e aparecem para o jogo. No Santos, limitam-se a cumprir função defensiva, jogando sempre atrás da linha da bola e pensando pouco o jogo ofensivo. 

Fragilidade tática e psicológica: postura é problema

A postura do Santos é outro problema - e em duas vertentes diferentes. Taticamente, fechar o time atrás e apostar nos contra-ataques não surtirá o efeito desejado na maioria dos jogos, principalmente de rivais tão bem estruturados como o Grêmio. Além disso, deixar de propor o jogo irrita a torcida alvinegra, sedenta pelo famigerado DNA ofensivo do Peixe - na goleada, o clube gaúcho teve 68% de posse de bola. 

Discutir aos berros em campo entre si e falar em "ajudinha da arbitragem" após sofrer cinco gols também em nada colabora para uma evolução. Pelo contrário. Apenas mostra falta de controle emocional e falta de auto-análise individual. Os brigões Vanderlei e Alison, embora unanimidades no time, longe estiveram de fazer boa partida. David Braz, reclamão do juiz, também pouco entregou.

Migalhas, lampejos de Rodrygo e 'sofrimento' de Gabigol

Enquanto o Grêmio escancarava seu ótimo futebol, com um ataque leve e preciso, boa troca de passes e jogadas coletivas, o Santos, passivo, assistia sem reação e, pior, com a bola nos pés fazia menos ainda. Os lampejos de Rodrygo, sempre muito marcado, foram os únicos suspiros de esperança da partida. O problema é que o garoto de 17 anos já anda visado pelos rivais e terá cada vez mais dificuldade para carregar a bola da intermediária ao ataque.

Isolar Gabigol na função de centroavante prova-se a cada jogo um desperdício. Se no Grêmio jogadas são construídas para ajudar o pivô André, autor de um dos gols, o camisa 10 do Peixe sofre com a falta de oportunidade. Se não busca a bola fora da área, passa o jogo sem tocá-la. Não adianta dizer que o centroavante tem de esperar pela "jogada única" para fazer o gol se a mesma nunca acontece.

Após ser goleado por 5 a 1, sobre o Grêmio, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, o 'Business Center', do Santos, localizado em São Paulo foi pichado com frases atacando os jogadores, o presidente do clube, José Carlos Peres e a forma como o técnico Jair Ventura vem escalando a equipe santista.

Com a goleada o Peixe segue com três pontos somados no Brasileirão, em três jogos disputados a equipe santista venceu apenas uma partida, contra o Ceará, e foi derrotado pelo Bahia e Grêmio. Com um jogo a menos, o Santos está na décima sexta colocação.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter